Drogas

Por que as bebidas alcóolicas e o cigarro são legais enquanto outras drogas como maconha e cocaína são ilegais?

O que diferencia umas das outras? O grau de dependência que pode causar?

Me parece que em termos de dependência e danos que podem causar ao organismo tais drogas não se diferenciam tanto. O que dizer sobre os acidentes causados por motoristas embriagados? Ou ainda os problemas que o cigarro pode acarretar à saúde dos fumantes?

Não faço aqui uma apologia ao uso de nenhum tipo de droga, longe disso. Trata-se apenas de uma reflexão sobre uma realidade que muitas vezes me parece um tanto contraditória.

Seria uma questão de “trajetória histórica” dessas drogas?: Álcool e fumo sempre existiram no Brasil enquanto as outras drogas só vieram depois? Para Michel Misse é uma questão de significado contextual para a ordem pública.

De qualquer maneira acho que a questão merece nossa atenção e um mínimo de reflexão.

Tráfico de drogas e crime organizado

Ultimamente tenho me interessado bastante pelos temas relacionados ao tráfico de drogas e crime organizado.

É uma realidade que nos atinge cotidianamente de formas diversas.

Acredito que conhecendo melhor essa realidade podemos lidar melhor com ela.

Acho que é justamente essa a relevância de pesquisas nesse campo.

Essas citações me chamaram a atenção nas coisas que ando lendo, acho que nos ajudam a refletir melhor sobre o contexto atual, a olhar de maneira mais ampla, não apenas quando o problema é conosco.

“Vive-se diante de dois mundos separados materialmente e unificados ideologicamente. Encontram-se neles aparentemente as mesmas mercadorias, porém as oportunidades são extremamente desiguais, mesmo que, por vezes, procurem se igualar” ( Marisa FEFFERMANN. Vidas arriscadas: o cotidiano dos jovens trabalhadores do tráfico, 2006).

“O ar refrigerado do Shopping Center dissipa, por instantes, as barreiras: agora não importa investigar a origem do dinheiro, não interessa se eles moram em favelas” (CRUZ NETO, O. Nem soldados nem inocentes – juventude e tráfico de drogas no Rio de Janeiro, 2001, p. 142).

Mercado eleitoral

Eu, o Henrique Takahashi, a Camila dos Santos e o Daniel Ramos precisávamos entregar um trabalho que fazia parte da avaliação da disciplina Política brasileira contemporânea, na UFSCar. Era um trabalho um pouco diferente, tinha apenas duas especificações: 1. versar sobre a política do período estudado na disciplina (de 1930 até o pós-88) e; 2. não ser um trabalho escrito (incomum em um curso de Ciências Sociais).

O Daniel teve a idéia de relacionar vídeos de campanhas eleitorais com um conteúdo estudado em ciência política no semestre passado. Estava presente a idéia de que as eleições numa democracia representativa estariam cada vez mais tomadas pela lógica de mercado, o que implicaria que os partidos e suas ideologias, no intuito de obter a maior quantidade de votos possível, buscariam o centro do espectro ideológico, não propagando valores extremos (tanto a esquerda quanto a direita). Nas campanhas eleitorais os candidatos procurariam se vender enquanto produtos para o eleitor-consumidor, utilizando-se para isso de estratégias de diferenciação com relação a outros candidatos e  de fixação de alguma marca sua (nome, número, imagem, etc.) na cabeça dos eleitores.

Para tentar demonstrar isso buscamos vídeos de campanhas eleitorais onde candidatos famosos buscam traduzir o capital adquirido em outras esferas da vida para a esfera da política, sem utilizarem-se de discursos com ideologia política; buscamos também campanhas onde os candidatos com pouco tempo no horário eleitoral tentam através de diferentes estratégias deixar sua marca no eleitorado, também sem mobilizar um discurso político; por fim, apresentamos campanhas nas quais alguns candidatos muito performáticos utilizam-se de discursos carregados de valores morais presentes no senso comum (combate à corrupção, honestidade, transparência, etc.) para ganhar a confiança do eleitor.

O resultado do nosso trabalho é o vídeo abaixo onde reunimos várias campanhas eleitorais e alguns dados referentes aos candidatos: