Piscine Molitor Patel

Estava eu com os dois antebraços ralados na mesma região. Keith me pergunta onde eu ralei-os. Digo a Keith que eu estava na casa de uma mulher casada noite passada quando seu marido chegou. Ao ouvir o barulho do portão se abrir tive que fugir as pressas pelo muro dos fundos que dá para rua de trás. Como estou fraco de ombros e o muro era alto, errei a primeira tentativa e ralei o antebraço tentando me segurar pendurado no muro. Na segunda tentativa tomei mais distância para correr antes de saltar e com a mesma quantidade de esforço consegui vencer o obstáculo.

Keith fica surpreso, mas  me diz que não acredita que eu fosse capaz de tal feito. Pergunto se ele se refere à mulher casada ou ao muro. Ele esclarece que se referia à mulher casada.

Então digo a ele que estava fazendo trabalho de campo para a minha pesquisa em uma rua sem saída quando se inicia uma troca de tiros que parece vir em nossa direção. Tivemos que fugir as pressas pelo muro dos fundos que dá para o campo de trás. Como estou fraco de ombros e o muro era alto, errei a primeira tentativa e ralei o antebraço tentando me segurar pendurado no muro. Na segunda tentativa tomei mais distância para correr antes de saltar e com a mesma quantidade de esforço consegui vencer o obstáculo.

Keith fica surpreso, mas  me diz que também não acredita que eu fosse capaz de tal feito.

Digo a Keith que peguei carona com um amigo que ia em direção à cidade seguinte, mas que precisava deixar alimentos frescos em sua casa, para depois me deixar em minha casa e então prosseguir viagem. Ainda era madrugada quando chegamos e percebemos que a fechadura do portão social havia sido trocada. Como meu amigo está acima do peso, tive que pular o muro da frente para abrir o portão de veículos por dentro. Como estou fraco de ombros e o muro era alto, errei a primeira tentativa e ralei o antebraço tentando me segurar pendurado no muro. Na segunda tentativa tomei mais distância para correr antes de saltar e com a mesma quantidade de esforço consegui vencer o obstáculo.

Agora Keith acredita na minha história.

Penso que Piscine Molitor Patel era um contador de histórias melhor do que eu.

Último de Zafón

As histórias acabam nos deixando um vazio e um pouco de saudade…

“Acalme-se ou vai criar uma pedra no fígado – aconselhou Fermín – Cortejar uma mulher é como um tango: absurdo, pura frescura. Mas é você o homem, é você quem deve tomar a iniciativa”. (p. 157)

“As estatísticas demosntram: morre mais gente na cama do que na trincheira” (Fermín Romero de Torres, p. 248).

“Às vezes nós pensamos que as pessoas são como décimos de loteria: que estão aí para concretizar nossas absurdas ilusões” (Isaac Monfort, p. 294).

Zafón II

“Mas como eu sou um cavalheiro à moda antiga, não me aproveitei dela e me conformei com um casto beijo na bochecha. Porque não estou com pressa, sabe? A espera aumenta o desejo. Tem uns bobalhões por ai que acham que, se põem a mão na bunda de uma mulher e ela não reclama, já está no papo. Aprendizes. O coração de uma mulher é um labirinto de sutilezas que desafia a mente grosseira do homem trapasseiro. Para realmente possuir uma mulher, é preciso pensar como ela, e a primeira coisa a fazer é ganhar sua alma. O resto, o doce e fofo embrulho que nos faz perder os sentidos e a virtude, vem por acréscimo” (A sombra do vento, Carlos Ruiz Zafón, p. 111, grifo meu).

Exercício de literatura I

Caminhada noturna

Imagine-se o leitor caminhando pela calçada. É madrugada e você está um pouco agitado. A volta para casa sozinho a essa hora da noite lhe deixa com o batimento cardíaco acelerado, excitado, até um pouco trêmulo e com as extremidades dos dedos geladas. Você caminha apressadamente, tenta se furtar nas sombras das árvores, próximo a frente das casas, não deseja ser visto por quem quer que seja. Você tem medo dos outros, se sente indefeso. A tensão toma conta do seu corpo todo, mas você está perto de casa, e por isso quase deixa de pensar em chegar logo. TÁ! Até parece que seu coração parou. Todo o movimento do mundo cessa por um segundo, que parece durar muito mais que isto. Seu corpo todo se enrijece, num espasmo, uma contração involuntária de todos seus músculos. Seu corpo espera o pior, sua mente neste momento é só uma espectadora, não conseguiria tomar atitude alguma. Talvez nem seus reflexos funcionassem, se preciso. Maldito gato! Coberturas de metal servindo de telhado deveriam ser proibidas a noite…

David M. Silva