Tráfico de drogas e crime organizado

Ultimamente tenho me interessado bastante pelos temas relacionados ao tráfico de drogas e crime organizado.

É uma realidade que nos atinge cotidianamente de formas diversas.

Acredito que conhecendo melhor essa realidade podemos lidar melhor com ela.

Acho que é justamente essa a relevância de pesquisas nesse campo.

Essas citações me chamaram a atenção nas coisas que ando lendo, acho que nos ajudam a refletir melhor sobre o contexto atual, a olhar de maneira mais ampla, não apenas quando o problema é conosco.

“Vive-se diante de dois mundos separados materialmente e unificados ideologicamente. Encontram-se neles aparentemente as mesmas mercadorias, porém as oportunidades são extremamente desiguais, mesmo que, por vezes, procurem se igualar” ( Marisa FEFFERMANN. Vidas arriscadas: o cotidiano dos jovens trabalhadores do tráfico, 2006).

“O ar refrigerado do Shopping Center dissipa, por instantes, as barreiras: agora não importa investigar a origem do dinheiro, não interessa se eles moram em favelas” (CRUZ NETO, O. Nem soldados nem inocentes – juventude e tráfico de drogas no Rio de Janeiro, 2001, p. 142).

Anúncios

Último de Zafón

As histórias acabam nos deixando um vazio e um pouco de saudade…

“Acalme-se ou vai criar uma pedra no fígado – aconselhou Fermín – Cortejar uma mulher é como um tango: absurdo, pura frescura. Mas é você o homem, é você quem deve tomar a iniciativa”. (p. 157)

“As estatísticas demosntram: morre mais gente na cama do que na trincheira” (Fermín Romero de Torres, p. 248).

“Às vezes nós pensamos que as pessoas são como décimos de loteria: que estão aí para concretizar nossas absurdas ilusões” (Isaac Monfort, p. 294).

Letra de música

Eu quis te esquecer

Desejei muito poder

É o único meio de viver sem dor

A dor que hoje magoa meu coração

Estou só e é da solidão que sua lembrança cruel surge

pra me mostrar apenas o que foi bom

Muitas vezes são as boas recordações e a saudade que nos restam

No final eu não signifiquei nada?

Sair de um poço mergulhando n’outro?

Seria a saída apropriada?

A resposta as vezes não parecem ser parte de mim

Zafón II

“Mas como eu sou um cavalheiro à moda antiga, não me aproveitei dela e me conformei com um casto beijo na bochecha. Porque não estou com pressa, sabe? A espera aumenta o desejo. Tem uns bobalhões por ai que acham que, se põem a mão na bunda de uma mulher e ela não reclama, já está no papo. Aprendizes. O coração de uma mulher é um labirinto de sutilezas que desafia a mente grosseira do homem trapasseiro. Para realmente possuir uma mulher, é preciso pensar como ela, e a primeira coisa a fazer é ganhar sua alma. O resto, o doce e fofo embrulho que nos faz perder os sentidos e a virtude, vem por acréscimo” (A sombra do vento, Carlos Ruiz Zafón, p. 111, grifo meu).

Poema nº1

Quando a saudade é só saudade?

O que a saudade representa?

É a pessoa não estar por perto?

O contato inexistente?

Parece amor

Lembra aquilo

Mas não só aquilo

 

Não posso sucumbir

Não é o momento

Devo apenas senti-la

e entender

depois de tempos

o que ela de fato representa

Exercício de literatura I

Caminhada noturna

Imagine-se o leitor caminhando pela calçada. É madrugada e você está um pouco agitado. A volta para casa sozinho a essa hora da noite lhe deixa com o batimento cardíaco acelerado, excitado, até um pouco trêmulo e com as extremidades dos dedos geladas. Você caminha apressadamente, tenta se furtar nas sombras das árvores, próximo a frente das casas, não deseja ser visto por quem quer que seja. Você tem medo dos outros, se sente indefeso. A tensão toma conta do seu corpo todo, mas você está perto de casa, e por isso quase deixa de pensar em chegar logo. TÁ! Até parece que seu coração parou. Todo o movimento do mundo cessa por um segundo, que parece durar muito mais que isto. Seu corpo todo se enrijece, num espasmo, uma contração involuntária de todos seus músculos. Seu corpo espera o pior, sua mente neste momento é só uma espectadora, não conseguiria tomar atitude alguma. Talvez nem seus reflexos funcionassem, se preciso. Maldito gato! Coberturas de metal servindo de telhado deveriam ser proibidas a noite…

David M. Silva